Língua Portuguesa

Daqui para lá: as mulheres e suas jornadas espirituais

Ananya Sri Ram Rajan – EUA

Medley From Here to There 2

Quando jovem, tive a sorte de passar um tempo na presença do professor espiritual, J. Krishnamurti. “Krishnaji”, como era conhecido por alguns, passou toda a sua vida estudando o self e a condição humana. Ele é famoso por dizer aos seus seguidores que “a verdade é uma terra sem caminhos” e, constantemente, perguntar à sua audiência “quem é você?” e “por que você está aqui?” Embora suas perguntas não fossem incomuns para um líder espiritual, o método de abordar essas questões era único, já que suas respostas não eram diretas. Conforme Krishnaji falava, ele abordava a maneira como a nossa mente funciona. Falava sobre como procuramos nos outros as respostas; buscamos algum tipo de autoridade que irá nos dizer o que fazer. E ele se incluía nessa categoria quando dizia: “Não ouça o palestrante. Pense por você mesmo".

Read more: Daqui para lá: as mulheres e suas jornadas espirituais

Juliana de Norwich

Ananya Sri Ram Rajan – EUA

Ele me mostrou, na palma da minha mão, uma coisinha do tamanho de uma avelã, e era redonda como uma bola. Olhei para aquilo, através do olho da mente, e pensei: “O que pode ser isso?” E a resposta veio: “É tudo o que é feito”. Fiquei maravilhada com o fato de que isso pudesse durar, pois achei que poderia ter se desintegrado a nada, era tão pequeno. E a resposta veio à minha mente: “dura e sempre durará, porque Deus a ama”. E todas as coisas têm sido através do amor de Deus.

De: Revelações do Amor Divino

Medley AR Julian of Norwich 2

Juliana de Norwich

Há pouca informação concreta sobre a vida de Juliana de Norwich. Está escrito que ela nasceu por volta de 1342 e morreu em algum dia de 1416. Quando tinha trinta anos, ela ficou gravemente doente e acreditava-se que morreria. Foi durante esse tempo, em 8 de maio de 1373, que ela teve dezesseis visões, o que levou à publicação de Revelações do Amor Divino. As Revelações do Amor Divino são consideradas o primeiro livro da Idade Média, escrito em inglês e, também, por uma mulher. Suas lembranças das visões (conhecidas como o "texto curto") e suas meditações sobre o que a ela havia sido mostrado (escrito vinte anos depois e conhecido como "o texto longo") têm sido para muitos uma grande fonte de conforto. Um escaneamento da capa do texto longo de seu livro afirma que ela era conhecida como "Mãe Juliana, uma Anchorite (1) de Norwich que viveu nos dias do rei Eduardo III".

Não se sabe ao certo, mas há uma indicação de que Juliana foi uma freira beneditina de Carrow Abbey. Ela, no entanto, foi definitivamente uma reclusa da Igreja St. Julian em Norwich, que é o mais provável, devido ao nome recebido por ela. Para quem não está familiarizado com o termo, uma reclusa era uma mulher que se trancava em uma cela, ao lado de uma igreja, como forma de contemplar e criar um relacionamento com Deus. Foram proporcionadas três pequenas fretas a Juliana, uma para receber a comunhão, outra para receber sua comida e descartar seus resíduos, e a terceira para dar conselhos ao público.

O verdadeiro nome de Juliana é desconhecido, pois ela revelou pouca informação sobre si mesma. O que se sabe é baseado em registros de doações e heranças deixadas para ela. Regularmente, ela dava conselhos a várias pessoas, de todas as esferas da vida, e era uma reclusa popular. Isso apesar de haver restrições, de acordo com o Ancrene Wisse (um manual de instruções para reclusas), quanto à frequência com que uma reclusa poderia se encontrar com o público. Uma reclusa deveria passar seu tempo em reclusão, contemplando a Deus e deixando para trás o mundo do dia a dia. No entanto, muitos fizeram pouco disso.

Read more: Juliana de Norwich

Mini-entrevista Swathi

1. Qual é o seu nome, de onde você é, e há quanto tempo é membro da ST?

Meu nome é Swathi, de Bangalore (Índia). Sou membro desde dezembro de 2008 (porém, tenho sido membro da ST desde 3 gerações).

Read more: Mini-entrevista Swathi

Voz do Coração

Damodar Mavalankar – Índia


Damodar Mavalankar

Ontem à noite, quando eu estava prestes a descansar, a voz de Kunala me chamou do lado de fora e lá fui eu imediatamente. Olhando fixamente para mim, ele disse: "queremos ver você", e enquanto ele falava, ele gradualmente mudava, ou desaparecia, ou era absorvido, na forma de outro homem com rosto e olhos inspiradores, cuja forma aparentemente se erguia do material do corpo de Kunala. No mesmo momento, outros dois, vestidos com trajes tibetanos, ficaram ali; e um deles entrou no meu quarto, de onde eu havia surgido. Depois de cumprimentá-los com reverência e não sem saber o que queriam, eu disse ao maior: "Você tem alguma ordem para dar?"

 "Se houver alguma, sem precisar perguntar, ela lhe será dita", respondeu ele, "fique parado onde você está".

Read more: Voz do Coração

Minha conversa com o Dalai Lama

Raghavan Iyer – EUA

[Impresso no panfleto: LONDON, EAST AND WEST LTD., Palestra proferida em Londres, 1961.]

Devo avisá-lo desde o início que me proponho a falar com você esta tarde não como ex-presidente da União de Oxford, nem como dona de Oxford. Quero abdicar desse papel e falar com você como um buscador e um peregrino, porque foi assim que fui ao Dalai Lama. Essa é a única justificativa para minha tentativa de dizer o que ele me falou durante aquela memorável e emocionante entrevista que ele gentilmente me concedeu em março passado, exatamente um ano depois de seu exílio do Tibete na Índia. Eu sinto que devo compartilhar com vocês minhas lembranças do que ele me disse, particularmente em vista de seu próprio sentimento sobre este país. Ele considerava a Inglaterra como uma força do bem no mundo de hoje, desempenhando um papel único no Ocidente. Ele disse que Londres era o centro espiritual e ético da Europa, e quando eu perguntei a ele se isso significava que muitas almas sábias haviam começado a encarnar neste país, ele concordou. Ele também afirmou que até mesmo o governo deste país estava mais ciente da posição do Tibete do que, talvez, em qualquer outro país do Ocidente. Sinto, portanto, que devo dizer a um público compreensivo deste tipo, tão fielmente quanto me lembro, o que o Dalai Lama me disse em resposta a uma série de perguntas que lhe fiz.

Read more: Minha conversa com o Dalai Lama

Editorial – Alguns pensamentos aleatórios sobre a liberdade

Jan Nicolaas Kind – Brasil

Pensamento – um

 Lembro-me vivamente de como minha querida mãe, no início dos anos de 1950, quando ainda criança entre 5 ou 6 anos, segurava e apertava firmemente minha mão enquanto atravessava ruas movimentadas com o tráfego no centro de Amsterdã. É o tipo de sentimento que se tem quando criança, em uma situação potencialmente perigosa, que sua mãe cuida de você. Até que eu achava o aperto instintivamente natural, porém havia uma rua em particular, perto daRoyal Place e da Praça Dam, chamada Raadhuisstraat (em inglês: Town Hall Street) onde, se cruzássemos até lá, o aperto aumentava a um nível quase intolerável. Alguns anos mais tarde, eu devia ter cerca de 7 ou 8 anos de idade, e depois de ter repetidamente perguntado a minha mãe a razão do aperto aparentemente aumentar naquela rua em particular, ela me dedicou -se um tempo – e teve coragem – para me explicar o porquê.

Read more: Editorial – Alguns pensamentos aleatórios sobre a liberdade

Minientrevista com Shikhar Agnihotri

The Society MI 8 Shikhar

1. Qual é o seu nome, de onde você é, e há quanto tempo é membro da ST?

 

Meu nome é Shikhar Agnihotri. Eu vivo em Lucknow, na Índia, uma cidade que pode ser familiar para muitos membros da ST em todo o mundo devido ao Dr. I.K.Taimni, um teósofo eminente, nascido nessa cidade. Eu me tornei membro da ST em 2008.

Read more: Minientrevista com Shikhar Agnihotri

Text Size

Paypal Donate Button Image

Subscribe to our newsletter

Email address
Confirm your email address

Who's Online

We have 157 guests and no members online

TS-Adyar website banner 150

Facebook

itc-tf-default

LOGO ITC

TS Point Loma/Blavatsky House

Vidya Magazine

TheosophyWikiLogoRightPixels