Língua Portuguesa

Fazendo Teosofia

John Algeo – EUA

JA 1

John Algeo

O termo "Teosofia" geralmente é definido em termos de ideias. Assim, o 11º Dicionário Colegiado da Merriam-Webster define dessa maneira, tanto geral quanto especificamente:

1. Ensinando sobre Deus e o mundo com base em insight místico.

2. Frequentemente capitalizados: os ensinamentos de um movimento moderno originário dos Estados Unidos, em 1875, e seguindo principalmente as teorias budistas e bramânicas, especialmente sobre evolução e reencarnação panteísta.

O mesmo acontece com o dicionário inglês mais curto, Oxford:

Qualquer um dos vários sistemas de crença que sustentam que um conhecimento de Deus pode ser alcançado por êxtase espiritual, intuição direta ou revelações individuais especiais; especificamente: (a) tal sistema proposto por Jacob Boehme (1575-1624); (b) um sistema moderno seguindo alguns ensinamentos hindus e budistas, buscando fraternidade universal e negando um deus pessoal.

Essa não era, porém, a visão de Madame Blavatsky, que escreveu em A Chave para a Teosofia, pág. 31: "Teósofo é aquele que age teosoficamente". Um teósofo não é alguém que mantém ideias particulares, mas sim alguém que "faz" a Teosofia.

Read more: Fazendo Teosofia

A fonte do insight (discernimento)

 

Theosophy Vidya 2 319

[A Revista Vidya, http://www.theosophysb.org/site/publications.html, editada por associados da Loja Unida de Teósofos em Santa Barbara, EUA, publicou o seguinte artigo em sua edição de inverno de 2019].

Voltar-se para dentro a fim de encontrar o Eu interior é mergulhar-se nas profundezas do que pode parecer um lugar escuro. Mas se alguém vai fundo o suficiente, encontra as águas calmantes e refrescantes do insight e da sabedoria. Em A Voz do Silêncio encontra-se: "Tem paciência, Candidato, como quem não teme fracassos nem corteja êxitos. Fixa o olhar de tua alma na estrela cujo raio é , a flamejante estrela que brilha dentro das obscuras profundezas do ser permanente, dos campos ilimitados do Desconhecido". Essa contemplação é como formar uma ponte, uma conexão com um vasto campo do desconhecido que pode gradualmente se tornar conhecido.

Read more: A fonte do insight (discernimento)

Mini-entrevista José van der Loop

The Society MI 10 Josevanderloop 1 1

1. Qual é o seu nome, de onde você é, e há quanto tempo é membro da ST?

Meu nome é José van der Loop, sou da Holanda e sou membro da ST de Adyar desde 2014.

Read more: Mini-entrevista José van der Loop

Por uma humanidade unificada

 Boris de Zirkoff – EUA

Teosofia
Uma filosofia viva para a humanidade

 

Volume VIII
No. 2 (44) – Julho-Agosto 1951

Theosophy BdZ 2

[Foto original da capa: H.P. Blavatsky em seus quarenta anos. (De Incidentes na Vida de

Madame Blavatsky, de A. P. Sinnett. 2ª ed., Londres: Theos. Pub Society, 1913.)]

Frente a frente com o terrível conflito de ideias que assola a fase histórica do século XX, o estudante da Antiga Sabedoria tem o dever de não tomar partido e tentar avaliar a situação existente à luz dos princípios eternos de pensamento.

Isso não é tarefa fácil. É um fato em que todo estudante se vê vacilando a cada curva da estrada, confundindo sombras com realidades. Ele será atraído por poderosas atrações magnéticas e impelido a se apegar a um ou a outro lado, e a defender causas que, em sua própria natureza, não têm permanência alguma. O estudante será chamado a transcender suas predileções pessoais e a penetrar por detrás do véu exterior das aparências, em fatores incertos que são ignorados pelo observador casual, aquele sem filosofia de vida.

O estudante terá que ter em mente o fato de que nenhum dos participantes do conflito mundial de ideias é totalmente certo ou totalmente errado. Suas respectivas causas individuais e seus objetivos têm elementos de verdade e falsidade, suas veementes e frequentemente violentas ações não são devidas ao mal inerente, mas à falta de compreensão mútua e ausência de sabedoria. De fato, seria uma solução fácil se fosse possível limitar todo o mal e toda a culpa a um ou outro partido e eliminar esse grupo do mundo dos homens. Mas a complexidade da natureza humana e a inextricável teia kármica da ação, tanto passada quanto presente, exige que os problemas humanos sejam trabalhados com base na compreensão, simpatia e auto-esquecimento — lições difíceis de aprender para o tipo agressivo, egocêntrico e vaidoso de homens.

Read more: Por uma humanidade unificada

Teosofia é

John Algeo – EUA

Theosophy JA 2

O autor em uma pose característica

Teosofia é uma expressão contemporânea da Sabedoria Eterna da humanidade, uma Sabedoria originalmente derivada de Instrutores maiores que nós em conhecimento e insight.

Essa Sabedoria Eterna teve muita expressão em todas as culturas e ao longo do tempo, e terá muito mais no futuro. Mas a Teosofia contemporânea é uma expressão singularmente adaptada às preocupações e necessidades do nosso tempo. No entanto, como foi destinada a um meio cultural particular, ela deve adaptar-se às mudanças desse meio. Deve ser rearticulada e estar em linguagem apropriada para cada geração, enquanto preserva a essência da Sabedoria Eterna subjacente. Teosofia em suas várias articulações deve, de fato, preservar a sabedoria eterna, mas não em formol. Em vez disso, sua preservação deve ser do tipo que é utilizado para uma coisa viva, em crescimento e, portanto, mutável. Todos os seres vivos mudam e ao mesmo tempo preservam sua identidade própria ou dharma. E assim deve ser a Teosofia.

Read more: Teosofia é

Daqui para lá: as mulheres e suas jornadas espirituais

Ananya Sri Ram Rajan – EUA

Medley From Here to There 2

Quando jovem, tive a sorte de passar um tempo na presença do professor espiritual, J. Krishnamurti. “Krishnaji”, como era conhecido por alguns, passou toda a sua vida estudando o self e a condição humana. Ele é famoso por dizer aos seus seguidores que “a verdade é uma terra sem caminhos” e, constantemente, perguntar à sua audiência “quem é você?” e “por que você está aqui?” Embora suas perguntas não fossem incomuns para um líder espiritual, o método de abordar essas questões era único, já que suas respostas não eram diretas. Conforme Krishnaji falava, ele abordava a maneira como a nossa mente funciona. Falava sobre como procuramos nos outros as respostas; buscamos algum tipo de autoridade que irá nos dizer o que fazer. E ele se incluía nessa categoria quando dizia: “Não ouça o palestrante. Pense por você mesmo".

Read more: Daqui para lá: as mulheres e suas jornadas espirituais

Juliana de Norwich

Ananya Sri Ram Rajan – EUA

Ele me mostrou, na palma da minha mão, uma coisinha do tamanho de uma avelã, e era redonda como uma bola. Olhei para aquilo, através do olho da mente, e pensei: “O que pode ser isso?” E a resposta veio: “É tudo o que é feito”. Fiquei maravilhada com o fato de que isso pudesse durar, pois achei que poderia ter se desintegrado a nada, era tão pequeno. E a resposta veio à minha mente: “dura e sempre durará, porque Deus a ama”. E todas as coisas têm sido através do amor de Deus.

De: Revelações do Amor Divino

Medley AR Julian of Norwich 2

Juliana de Norwich

Há pouca informação concreta sobre a vida de Juliana de Norwich. Está escrito que ela nasceu por volta de 1342 e morreu em algum dia de 1416. Quando tinha trinta anos, ela ficou gravemente doente e acreditava-se que morreria. Foi durante esse tempo, em 8 de maio de 1373, que ela teve dezesseis visões, o que levou à publicação de Revelações do Amor Divino. As Revelações do Amor Divino são consideradas o primeiro livro da Idade Média, escrito em inglês e, também, por uma mulher. Suas lembranças das visões (conhecidas como o "texto curto") e suas meditações sobre o que a ela havia sido mostrado (escrito vinte anos depois e conhecido como "o texto longo") têm sido para muitos uma grande fonte de conforto. Um escaneamento da capa do texto longo de seu livro afirma que ela era conhecida como "Mãe Juliana, uma Anchorite (1) de Norwich que viveu nos dias do rei Eduardo III".

Não se sabe ao certo, mas há uma indicação de que Juliana foi uma freira beneditina de Carrow Abbey. Ela, no entanto, foi definitivamente uma reclusa da Igreja St. Julian em Norwich, que é o mais provável, devido ao nome recebido por ela. Para quem não está familiarizado com o termo, uma reclusa era uma mulher que se trancava em uma cela, ao lado de uma igreja, como forma de contemplar e criar um relacionamento com Deus. Foram proporcionadas três pequenas fretas a Juliana, uma para receber a comunhão, outra para receber sua comida e descartar seus resíduos, e a terceira para dar conselhos ao público.

O verdadeiro nome de Juliana é desconhecido, pois ela revelou pouca informação sobre si mesma. O que se sabe é baseado em registros de doações e heranças deixadas para ela. Regularmente, ela dava conselhos a várias pessoas, de todas as esferas da vida, e era uma reclusa popular. Isso apesar de haver restrições, de acordo com o Ancrene Wisse (um manual de instruções para reclusas), quanto à frequência com que uma reclusa poderia se encontrar com o público. Uma reclusa deveria passar seu tempo em reclusão, contemplando a Deus e deixando para trás o mundo do dia a dia. No entanto, muitos fizeram pouco disso.

Read more: Juliana de Norwich

Text Size

Paypal Donate Button Image

Subscribe to our newsletter

Email address
Confirm your email address

Who's Online

We have 325 guests and no members online

TS-Adyar website banner 150

Facebook

itc-tf-default

LOGO ITC

TS Point Loma/Blavatsky House

Vidya Magazine

TheosophyWikiLogoRightPixels