Língua Portuguesa

O respeito pela Natureza é fundamental no Hinduísmo

O respeito e a reverência pela natureza estão subjacentes a muitas práticas e rituais hindus. Contudo, muitos locais de culto hindus enfrentam enormes problemas ambientais.

Os textos e escrituras hindus estão cheios de referências ao culto do divino na Natureza, e continuam a ser relevantes hoje em dia. Milhões de hindus recitam diariamente mantras sânscritos que reverenciam os seus rios, montanhas, árvores e animais. Muitos também seguem, por razões religiosas, uma dieta vegetariana e opõem-se à matança institucionalizada de animais para consumo humano. A Terra, representada como uma Deusa ou “Devi”, é adorada em muitos rituais hindus. Por exemplo, antes de se fazerem escavações para a colocação das fundações de um edifício, um sacerdote é convidado a realizar o “Bhoomi” (terra) Pooja” para pedir perdão à mãe terra por violentá-la. Para muitos hindus, o conceito de proteção ambiental não está separado do ensinamento religioso. Isso é visto em várias práticas locais entre comunidades rurais hindus como os Bishnois  e os Bhils para proteger florestas e fontes de água. Apesar da reverência enraizada pela natureza no Hunduísmo, não há dúvidas que muitos lugares de culto hindus – desde locais de peregrinação no alto dos Himalaias até ao sistema fluvial do Ganges – enfrentam enormes desafios ambientais.

Link to English version:
http://www.theosophyforward.com/medley/1360-respect-for-nature-key-to-hinduism

Série - A Nossa Unidade: Uma centena de Buddhas

Patrizia Calvi – Itália

Se, passando pela Sala da Sabedoria, queres chegar ao Vale da Felicidade, fecha Discípulo, os teus sentidos à grande e cruel heresia da separação, que te afasta dos outros (A Voz do Silêncio, v. 37)

As divisões dentro do movimento teosófico são um facto que está certamente em conflito com o princípio da fraternidade universal sem distinções. Estas divisões provocam transtorno na nossa consciência e implicam um sentimento de falhanço no teste efetivo desse princípio.

Read more: Série - A Nossa Unidade: Uma centena de Buddhas

Série – A Nossa Unidade: Sobre a unidade (reflexões muito subjetivas)

Thomas Martinovich – Hungria

“Não vos preocupeis – não podeis cair do Universo!” (um sábio anónimo)

O ensinamento central da Teosofia (moderna) é o de que o mundo inteiro – incluindo nós próprios, como parte dele – é uno: uma completa unidade, sem partes separadas. Contudo, experienciá-lo como uma realidade é bastante difícil. Porquê?

A nossa linguagem é um bom espelho que reflete o nosso modo de pensar: “eu e os outros”, “eu e o mundo”, “eu e Deus” – ou “as minhas coisas e as dos outros”, ou seja, a separação que existe entre nós e o resto do mundo.

Read more: Série – A Nossa Unidade: Sobre a unidade (reflexões muito subjetivas)

Série - A Nossa Unidade: A nossa Unidade Teosófica

Janet Lee - Reino Unido

“A culpa, caro Brutus, não é das nossas estrelas, mas de nós mesmos, que somos subordinados.” Júlio César (1.2, linhas 140-141)

A peça romana de Shakespeare trata da igualdade, equilíbrio político e fraternidade, bem como dos problemas profundos e conflitos que vêm à superfície quando alguns reclamam superioridade moral e efetiva sobre os outros e quando cada um alega ser uma perfeição e não ter falhas! Em contrapartida, HPB surge como uma mulher que se entendia a si própria muito bem, particularmente consciente das suas próprias falhas e fraquezas, pelo que à sua própria maneira era uma pessoa integrada e aí residia a sua força e a sua autoridade. Ela era única e autenticamente ela própria, e conhecia as suas próprias imperfeições. Em cima, como em baixo: fora, como dentro. Como teosofistas, não podemos esperar estar unidos entre nós, como uma fraternidade universal, se cada um de nós não puder encontrar a unidade interior dentro de si próprio.

Read more: Série - A Nossa Unidade: A nossa Unidade Teosófica

A dor partilhada aproxima as pessoas

[Esta história é baseada em materiais fornecidos pela Associação de Ciência Psicológica; cliquem no seguinte link: http://www.psychologicalscience.org/.]

De acordo com as conclusões de novas investigações publicadas em Psychological Science, uma revista da Associação de Ciência Psicológica, aquilo que não nos mata torna-nos mais fortes enquanto grupo.

Passar juntos por experiências dolorosas pode mudar o comportamento de um grupo, promovendo os laços e a solidariedade

A investigação sugere que, apesar do seu caráter desagradável, a dor pode efetivamente ter consequências sociais positivas, funcionando como uma espécie de “cola social” que promove a coesão e a solidariedade dentro dos grupos.

Read more: A dor partilhada aproxima as pessoas

Série A Nossa Unidade – UNIDADE e DIVERSIDADE, A Fraternidade e a Liberdade de Pensamento e a Evolução Espiritual

Roger Price – Bélgica

Embora toda a vida seja sempre uma Unidade, é através da manifestação e da experiência da individualidade, incluindo a aparente separação (ao menos durante algumas fases da evolução da Mónada) que o espectro completo da experiência evolutiva necessária é recolhido por cada Mónada para o TODO. Daí a necessidade de diversidade na humanidade no seio do Todo.

A Humanidade encontra-se num ponto singular no caminho evolutivo entre a experiência de separação e a de Unidade. Presentemente, e embora a nossa experiência predominante seja de separação, também temos a capacidade de experienciar algum grau de Unidade. A nossa experiência de separação dá lugar ao nosso sentido de ego ao nível pessoal mas os nossos esforços para entender, sentir e praticar a Fraternidade Universal ajudam-nos a experienciar a Unidade e a desabrochar a nossa individualidade espiritual. Reciprocamente, a influência da nossa individualidade espiritual na personalidade dá origem à compreensão e sentimento da Unidade expressa através da Fraternidade Universal, juntamente com o respeito para com a diversidade inerente essencial através da Liberdade de Pensamento. A completa aceitação e prática quer da Fraternidade Universal, que reflete a Unidade inerente, quer da Liberdade de Pensamento, que reflete a diversidade necessária inerente, são os princípios pelos quais a Humanidade pode avançar na jornada para entrar na Vida Interna e estimular o desabrochar da nossa espiritualidade individual de acordo com a lei da Evolução. Nos Collected Writings, XI P166, Segunda Carta à Convenção Americana:

 “A Teosofia é essencialmente não sectária, e trabalhar para ela ajuda na entrada para a Vida Interna. Mas ninguém pode entrar lá, exceto o próprio homem no mais alto e verdadeiro espírito de Fraternidade, e qualquer outra tentativa de entrar será fútil ou ficará paralisada no umbral.”
A Fraternidade Universal e o respeito pela Liberdade de Pensamento são princípios coexistentes para o acesso à Vida Interna e devem formar as qualidades aspiracionais básicas do trabalho teosófico que partilhamos.

Read more: Série A Nossa Unidade – UNIDADE e DIVERSIDADE, A Fraternidade e a Liberdade de Pensamento e a...

Série A Nossa Unidade – Uma ponte melhor

James LeFevour – EUA

Sendo um jovem estudante de Teosofia, estive na minha primeira Conferência Internacional de Teosofia há apenas alguns anos. Lembro-me muito bem de uma conversa em particular que tive uma manhã, durante o pequeno-almoço, com outro jovem estudante. Ele era um estudante de Point Loma – Haia, e eu, sendo de Wheaton, seguia mais a linha da tradição de Adyar. Por assim dizer, desfrutámos das comparações entre as nossas notas e de falar das diferenças entre as tradições.

Read more: Série A Nossa Unidade – Uma ponte melhor

Text Size

Paypal Donate Button Image

Subscribe to our newsletter

Email address
Confirm your email address

Who's Online

We have 266 guests and no members online

TS-Adyar website banner 150

Facebook

itc-tf-default

International Theosophy Conferences Inc.

TS Point Loma/Blavatsky House

Vidya Magazine

TheosophyWikiLogoRightPixels