Língua Portuguesa

O respeito pela Natureza é fundamental no Hinduísmo

O respeito e a reverência pela natureza estão subjacentes a muitas práticas e rituais hindus. Contudo, muitos locais de culto hindus enfrentam enormes problemas ambientais.

Os textos e escrituras hindus estão cheios de referências ao culto do divino na Natureza, e continuam a ser relevantes hoje em dia. Milhões de hindus recitam diariamente mantras sânscritos que reverenciam os seus rios, montanhas, árvores e animais. Muitos também seguem, por razões religiosas, uma dieta vegetariana e opõem-se à matança institucionalizada de animais para consumo humano. A Terra, representada como uma Deusa ou “Devi”, é adorada em muitos rituais hindus. Por exemplo, antes de se fazerem escavações para a colocação das fundações de um edifício, um sacerdote é convidado a realizar o “Bhoomi” (terra) Pooja” para pedir perdão à mãe terra por violentá-la. Para muitos hindus, o conceito de proteção ambiental não está separado do ensinamento religioso. Isso é visto em várias práticas locais entre comunidades rurais hindus como os Bishnois  e os Bhils para proteger florestas e fontes de água. Apesar da reverência enraizada pela natureza no Hunduísmo, não há dúvidas que muitos lugares de culto hindus – desde locais de peregrinação no alto dos Himalaias até ao sistema fluvial do Ganges – enfrentam enormes desafios ambientais.

Link to English version:
http://www.theosophyforward.com/medley/1360-respect-for-nature-key-to-hinduism

Série - A Nossa Unidade: Uma centena de Buddhas

Patrizia Calvi – Itália

Se, passando pela Sala da Sabedoria, queres chegar ao Vale da Felicidade, fecha Discípulo, os teus sentidos à grande e cruel heresia da separação, que te afasta dos outros (A Voz do Silêncio, v. 37)

As divisões dentro do movimento teosófico são um facto que está certamente em conflito com o princípio da fraternidade universal sem distinções. Estas divisões provocam transtorno na nossa consciência e implicam um sentimento de falhanço no teste efetivo desse princípio.

Read more: Série - A Nossa Unidade: Uma centena de Buddhas

Série – A Nossa Unidade: Sobre a unidade (reflexões muito subjetivas)

Thomas Martinovich – Hungria

“Não vos preocupeis – não podeis cair do Universo!” (um sábio anónimo)

O ensinamento central da Teosofia (moderna) é o de que o mundo inteiro – incluindo nós próprios, como parte dele – é uno: uma completa unidade, sem partes separadas. Contudo, experienciá-lo como uma realidade é bastante difícil. Porquê?

A nossa linguagem é um bom espelho que reflete o nosso modo de pensar: “eu e os outros”, “eu e o mundo”, “eu e Deus” – ou “as minhas coisas e as dos outros”, ou seja, a separação que existe entre nós e o resto do mundo.

Read more: Série – A Nossa Unidade: Sobre a unidade (reflexões muito subjetivas)

Série - A Nossa Unidade: A nossa Unidade Teosófica

Janet Lee - Reino Unido

“A culpa, caro Brutus, não é das nossas estrelas, mas de nós mesmos, que somos subordinados.” Júlio César (1.2, linhas 140-141)

A peça romana de Shakespeare trata da igualdade, equilíbrio político e fraternidade, bem como dos problemas profundos e conflitos que vêm à superfície quando alguns reclamam superioridade moral e efetiva sobre os outros e quando cada um alega ser uma perfeição e não ter falhas! Em contrapartida, HPB surge como uma mulher que se entendia a si própria muito bem, particularmente consciente das suas próprias falhas e fraquezas, pelo que à sua própria maneira era uma pessoa integrada e aí residia a sua força e a sua autoridade. Ela era única e autenticamente ela própria, e conhecia as suas próprias imperfeições. Em cima, como em baixo: fora, como dentro. Como teosofistas, não podemos esperar estar unidos entre nós, como uma fraternidade universal, se cada um de nós não puder encontrar a unidade interior dentro de si próprio.

Read more: Série - A Nossa Unidade: A nossa Unidade Teosófica

A dor partilhada aproxima as pessoas

[Esta história é baseada em materiais fornecidos pela Associação de Ciência Psicológica; cliquem no seguinte link: http://www.psychologicalscience.org/.]

De acordo com as conclusões de novas investigações publicadas em Psychological Science, uma revista da Associação de Ciência Psicológica, aquilo que não nos mata torna-nos mais fortes enquanto grupo.

Passar juntos por experiências dolorosas pode mudar o comportamento de um grupo, promovendo os laços e a solidariedade

A investigação sugere que, apesar do seu caráter desagradável, a dor pode efetivamente ter consequências sociais positivas, funcionando como uma espécie de “cola social” que promove a coesão e a solidariedade dentro dos grupos.

Read more: A dor partilhada aproxima as pessoas

Text Size

Paypal Donate Button Image

Subscribe to our newsletter

Email address
Confirm your email address

Who's Online

We have 153 guests and no members online

TS-Adyar website banner 150

EUROPEAN SCHOOL OF THEOSOPHY 2021 Logo

itc-tf-default

Vidya Magazine

TheosophyWikiLogoRightPixels