Língua Portuguesa

Fazendo Teosofia

John Algeo – EUA

JA 1

John Algeo

O termo "Teosofia" geralmente é definido em termos de ideias. Assim, o 11º Dicionário Colegiado da Merriam-Webster define dessa maneira, tanto geral quanto especificamente:

1. Ensinando sobre Deus e o mundo com base em insight místico.

2. Frequentemente capitalizados: os ensinamentos de um movimento moderno originário dos Estados Unidos, em 1875, e seguindo principalmente as teorias budistas e bramânicas, especialmente sobre evolução e reencarnação panteísta.

O mesmo acontece com o dicionário inglês mais curto, Oxford:

Qualquer um dos vários sistemas de crença que sustentam que um conhecimento de Deus pode ser alcançado por êxtase espiritual, intuição direta ou revelações individuais especiais; especificamente: (a) tal sistema proposto por Jacob Boehme (1575-1624); (b) um sistema moderno seguindo alguns ensinamentos hindus e budistas, buscando fraternidade universal e negando um deus pessoal.

Essa não era, porém, a visão de Madame Blavatsky, que escreveu em A Chave para a Teosofia, pág. 31: "Teósofo é aquele que age teosoficamente". Um teósofo não é alguém que mantém ideias particulares, mas sim alguém que "faz" a Teosofia.

A afirmação de HPB certamente não nega a existência de ideias teosóficas. Ideias teosóficas são abundantes. Sua essência foi resumida pela própria HPB nas três proposições fundamentais de A Doutrina Secreta, que podem ser ainda mais concisamente (embora inadequadamente), resumidas como as ideias de monismo, ordem e propósito universais. Mas para ser um teósofo ou mesmo membro da Sociedade Teosófica, não é necessário subscrever essas ou quaisquer outras ideias, como "evolução e reencarnação panteísta" ou outros "ensinamentos hindus e budistas", incluindo uma visão não teísta do divino. Em vez disso, é preciso "fazer" a Teosofia.

O que envolve "fazer" a Teosofia? Quando alguém se junta à Sociedade Teosófica, não nos é solicitado que confessemos crença em quaisquer ideias. Em vez disso, pede-se que apenas se aceite os três objetivos da Sociedade:

1. Formar um núcleo da Fraternidade Universal da humanidade, sem distinção de raça, credo, sexo, casta ou cor.

2. Incentivar o estudo da religião, filosofia e ciência comparadas.

3. Investigar as leis inexplicáveis ​​da natureza e os poderes latentes no homem.

Observe que os verbos operantes dos três objetivos ("formar, incentivar e investigar") especificam ações, não crenças ou ideias. Ser membro da Sociedade Teosófica requer um compromisso de fazer algumas coisas e não de acreditar em mais nada ou de adotar ideias particulares. Certamente, realizar essas ações pressupõe uma crença em certas coisas: especificamente, a realidade da fraternidade humana; o valor de estudar religião, filosofia e ciência; e a existência de leis não explicadas e poderes latentes.

De fato, toda ação repousa sobre alguma crença, assim como toda ideia implica certas ações. Teoria e prática não são divorciadas uma da outra, mas são mutuamente implicativas. Assim, os três objetivos da Sociedade Teosófica se correlacionam com as três proposições fundamentais, como segue:

1. O monismo, a visão de que existe apenas uma Realidade Última no Universo, implica que você e eu — de fato todos os seres existentes — somos finalmente Um com essa Realidade e, portanto, uns com os outros. A fraternidade humana é um fato da existência. Na Sociedade, tentamos apenas formar um núcleo dela.

2. A ordem, manifestada através dos padrões cíclicos da vida e do Cosmos, é tema da religião, filosofia e ciência. Cada uma dessas disciplinas se concentra em algum aspecto da ordem: a ciência tenta descobrir as leis que governam o mundo físico; a filosofia, os princípios pelos quais o intelecto opera; e a religião, as conexões entre o secular e o sagrado. Essas três disciplinas são as principais formas pelas quais os seres humanos formularam ideias sobre a ordem do Universo. Incentivar seu estudo comparativo é, portanto, aumentar nossa compreensão dessa ordem.

3. O objetivo, no Universo e na vida humana, é o reconhecimento de que a existência tem significado e que todos os seres estão em peregrinação, uma jornada em direção a uma meta de refinamento, entendimento e conexão cada vez maiores. Cumprir esse propósito implica uma investigação sobre o inexplicável e o desenvolvimento de nossos poderes latentes. O inexplicável está dentro de nós e ao nosso redor, e essas habilidades latentes não são primariamente psíquicas, mas sim poderes espirituais como amor e sabedoria.

Ideias e ações correm juntas como um cavalo e uma carruagem, ou o amor e o casamento (como uma antiga canção de Frank Sinatra diz). Mas a ênfase, tanto na Teosofia quanto na Sociedade Teosófica, está em "fazer" a Teosofia, não professando uma crença em quaisquer ideias ou doutrinas.

“Fazer” a Teosofia envolve três coisas, como os Objetos da Sociedade indicam. Primeiro, os "praticantes" formam um núcleo participando da Sociedade Teosófica e de suas Lojas, sem preconceitos, baseados nas características meramente externas de outros membros, e ajudando a encaminhar o trabalho da Sociedade da maneira que lhes for possível. Segundo, incentivam o estudo da religião, filosofia e ciência, reconhecendo a importância dos esforços multiculturais da humanidade para responder aos princípios de ordem no Universo, na sociedade e na vida humana e respeitando as diversas formas que esses esforços adotaram, sem tentar impor seus próprios valores culturais a todos os outros. Terceiro, eles investigam leis naturais inexplicáveis ​​e os poderes latentes da humanidade, abrindo-se a novas possibilidades de lidar com o mundo e esforçando-se para realizar seus próprios potenciais internos.

Certamente, ninguém "faz" perfeitamente bem a Teosofia. É necessário apenas que cada um de nós tente fazer o nosso melhor, de acordo com nossa natureza e oportunidades. Como o Mestre K. H. escreveu a A.P. Sinnett: "Temos uma palavra para todos os aspirantes: TENTE" (Cartas dos Mahatmas para A. P. Sinnett[1]). As ideias teosóficas são inspiradoras e energizantes. Elas são excelentes guias para vida. Mas, em última análise, o karma não responde ao que pensamos ou acreditamos, mas ao que escolhemos fazer.

Link to English version:

https://www.theosophyforward.com/articles/theosophy/2700-doing-theosophy 

 
Text Size

Paypal Donate Button Image

Subscribe to our newsletter

Email address
Confirm your email address

Who's Online

We have 298 guests and no members online

TS-Adyar website banner 150

Facebook

itc-tf-default

LOGO ITC

TS Point Loma/Blavatsky House

Vidya Magazine

TheosophyWikiLogoRightPixels