Língua Portuguesa

Editorial - A ganância é uma doença

Jan Nicolaas Kind – Brasil

A doença mais devastadora do mundo atualmente é a ganância. O vírus da cobiça infectou totalmente o nosso comportamento e, ainda mais lamentavelmente, nosso pensamento. A ganância influenciou a maneira como lidamos com os outros, o meio ambiente, a política, a educação, a religião, nossa conduta sexual. Os seres humanos estão dispostos até mesmo ir à guerra por causa da ganância; isso nos tornou terráqueos corruptos.

The Society A 2 ebenezer scrooge

Na maioria dos dicionários, a ganância é descrita da seguinte maneira: um desejo intenso e egoísta por algo, especialmente riqueza, poder, comida ou outras posses.

Em um site que não há menção ao nome do autor, encontrei esta citação:

“Dinheiro e ganância são forças poderosas que se transformam em influências corruptoras nas pessoas e em seu ambiente. Como o dinheiro é visto sendo igual ao poder, as pessoas ricas, portanto, são vistas como tendo mais poder, dando-lhes mais autoridade sobre os pobres. Isso cria uma separação nas diferentes classes socioeconômicas, o que acaba gerando desigualdade em uma comunidade. Devido a isso, entra em jogo a ganância, e o caos é gerado quando a violência irrompe para que uma pessoa obtenha o que deseja. A corrupção tem sido vista da forma como aqueles que têm uma autoridade maior são capazes de abusar de seu poder e se safar com isso”.

A ganância é uma das sete falhas básicas de caráter ou traços de uma personalidade "sombria". Todos nós temos o potencial para tendências gananciosas, mas para aquelas pessoas com um medo especialmente forte da falta – privação – a ganância pode se tornar um problema.

 

The Society A 3

As sete imperfeições

Uma pessoa pode ficar totalmente obcecada em procurar o que “necessita”, tentando sempre se apossar da única coisa que finalmente eliminará o sentimento profundamente enraizado de não ter o suficiente. Essa coisa poderia ser dinheiro, poder, sexo, comida, atenção, conhecimento... enfim tudo. Pode ser algo concreto ou abstrato, real ou simbólico. Porém, será algo muito específico, no qual todo o complexo da ganância-necessidade se torna obsessão. Quando isso acontece, a vida se torna um esforço interminável para adquirir o máximo possível.

Não consigo pensar em uma descrição melhor. Deveria ser motivo de preocupação de todos nós! Se avançarmos um passo adiante, observaremos que aqueles que têm, invariavelmente, dominam aqueles que não têm. Políticos gananciosos, alegando que sabem, enganam com falsas promessas àqueles que não sabem. Todos os poderosos mercados de ações são preponderantes. Não se pode negar que apenas uns poucos que se encontram no topo controlam a vasta maioria da população mundial: a desigualdade de A a Z. Quando olhamos para a nossa história relativamente recente, digamos os últimos 2.000 anos, concluímos que apesar de todos os nossos avanços tecnológicos e materiais, ainda nos comportamos como um bando de perdulários tolos e egoístas, não muito melhor do que os Neandertais que supostamente nos precederam.

Nosso mármore azul chamado Planeta Terra se transformou em uma aldeia global. Nós somos os aldeões que preferem, aparentemente, viver na rivalidade tribal, desenhando divisões surreais chamadas fronteiras, ao invés de entender que as linhas que traçamos são realmente inexistentes. Quando os astronautas fazem uma viagem ao espaço e orbitam o planeta, eles não conseguem ver as fronteiras; não há evidência física de quaisquer divisões reais. Nós nos dividimos porque somos gananciosos: esta é a minha terra, não a sua; esta é minha religião, não sua; esta é minha convicção, obviamente melhor que a sua; esta é minha inteligência, superior à sua.

Eu sempre acho surpreendente que não tenhamos aprendido muito com o nosso passado, enquanto aqueles mesmos problemas dolorosos se repetem de novo e de novo. Já mencionei nossa história recente, mas e a história que remonta a 10.000 ou 20.000 anos? Eu levanto esta questão para demonstrar que, devido ao fato de sermos gananciosos, perdemos a noção de quem realmente somos. Poderíamos nos fazer uma simples pergunta: “Onde estávamos, quanto ao estado de nossa consciência, antes de nos desencaminharmos e começarmos a traçar linhas?” Há cerca de 20.000 anos, as regiões ou países que conhecemos hoje não existiam. Os ancestrais há muito esquecidos dos holandeses não viviam no que hoje chamamos de Holanda. Os ancestrais dos franceses, alemães e ingleses – não moravam na França, na Alemanha ou na Inglaterra. Muito provavelmente, esses ancestrais originaram-se de outras partes do que hoje chamamos de Europa, Ásia ou África, sem mencionarmos os chamados novos continentes das Américas ou da região da Oceania. Os povos que viviam na Atlântida ou na Lemúria – e aqui estamos falando de uma história que remonta muito mais adiante – migraram-se para outras áreas do globo quando a terra em que viviam, durante um período de centenas de milhares de anos, submergiu lentamente.

Então, se olharmos os períodos durante os quais estamos neste planeta, somos eternos migrantes, mudando de um lugar para outro. Fixamo-nos em algum lugar por um período mais longo, digamos por alguns milhares de anos, mas depois disso, muitas vezes por várias razões, seguimos em frente, assim como temos feito por eons.

Por causa da possessividade ou avidez profundamente arraigada (a última é definitivamente uma doença mental), as pessoas pensam que possuem a terra onde vivem temporariamente. Para que os apropriadores de terra se tornem "proprietários de terras" , muitos dos povos indígenas que já estavam lá, foram derrubados ou abatidos para dar lugar aos chamados "novos proprietários".

Como representantes da Vida Una não possuímos nada. Em vez disso, pertencemos às terras da Mãe Terra. Somos partes integrantes dela. Consequentemente, é totalmente estúpido e contra as leis que regem a natureza erigirem barreiras ou, por medo, construirmos muros para mantermos os “outros” de fora. Outros, como muitos, desde que começamos a caminhar pelo planeta, estão fugindo de tudo, em busca de um futuro melhor, um ambiente mais decente e justo e uma liberdade abrangente.

Muralhas nunca trouxeram soluções duradouras! Por volta de 122 dC, os romanos começaram a construir a Muralha de Adriano. Foi uma fortificação de defesa construída para “proteger” a província romana da Britânia, do que hoje chamamos de Escócia, de invasões de “bárbaros”. Bem, isso não funcionou tão bem. A Grande Muralha da China foi construída para proteger os chineses dos ataques do norte. Até certo ponto isso foi conseguido, mesmo porque os mongóis, em 1211, simplesmente rodearam as muralhas e invadiram partes da China, infligindo uma terrível derrota ao imperador chinês e seus exércitos. Todos nós sabemos o que aconteceu em 9 de novembro de 1989 com o Muro de Berlin. Essa construção horrível, que durou 28 anos, foi construída não para manter as pessoas “fora”, mas para mantê-las “dentro”. Os muros de proteção que os israelenses construíram durante a Segunda Intifada para defender Israel contra o perigo da revolta palestina poderiam ter diminuído o número de ataques suicidas em solo israelense, mas até agora têm dificultado seriamente o tão necessário processo de paz. Barreiras podem até piorar as coisas. Quando uma parede é construída e uma solução permanente é adiada, seus construtores correm o risco de que a correção temporária agrave o problema que foi projetado para aliviar. Ele arriscará ainda mais a interrupção das conexões entre as comunidades transfronteiriças e aumentará a destruição ambiental.

The Society A 4

A Grande Barreira de Corais ... antes que grandes partes dela foram "branqueadas"

Uma vez que sabemos, teosoficamente, que estamos todos interligados, artifícios, ganâncias baseadas em mentalidade separatistas , servem apenas para retardar o nosso crescimento. A ganância não pode e não nos unirá. Em vez disso, causará guerras, fome, correntes de ar e corrupção. Isso acabará destruindo o nosso meio ambiente. Veja o que está acontecendo com a Grande Barreira de Corais ao largo da costa nordeste de Queensland, Austrália: destruição ecológica por causa da ganância política. (1) Mas não é por isso que, como espécie, estamos aqui. Há, sem dúvida, outro propósito para o nosso ser, especialmente quando se pensa nessa profunda interconectividade. Apesar de nossas noções enganosas e destrutivas de separação, estamos literalmente respirando as mesmas coisas que Leonardo da Vinci, Jesus, Gandhi e Buda fizeram.

É claro que é hora de acabarmos com a ganância. Precisamos nos tornar dispostos a compartilhar com os outros, mesmo que seja apenas um pouco. O dinheiro não deve controlar nossas vidas. Precisamos dominar nossos desejos, estimar nossas bênçãos, aproveitar o que fazemos e seguir sempre nossas paixões. Ainda mais importante, precisamos colocar em prática o Primeiro Objetivo de nossa Sociedade, percebendo que um NÚCLEO da Fraternidade Universal deverá ser formado. HPB deixou isso bem claro. (2) Um núcleo que é capaz de estabelecer os exemplos corretos .

Fiquei profundamente comovido quando uma amiga minha em Atenas, na Grécia, compartilhou comigo que ela e seu marido haviam decidido adotar uma jovem refugiada, de uma região sombria e muito conturbada. A criança não apenas perdeu sua família, mas também testemunhou a decapitação de sua mãe por fanáticos religiosos locais. A menina traumatizada aterrissou na costa grega refugiada em um barco e foi levada por duas pessoas amáveis que, apesar dos graves problemas econômicos enfrentados pela Grécia, estavam dispostas a abrir seus corações e portas, oferecendo-lhe um merecido futuro brilhante.

Em um mundo com tanto sofrimento e dor, é essencial irradiar bondade, compartilhar e demonstrar compaixão, banindo para sempre a ganância de nossas vidas. Então: deem exemplos.

 

Notas:

(1) Interessado no que está acontecendo com a Grande Barreira de Corais? Clique aqui:

https://www.ft.com/content/fd8899c2-6267-11e8-90c2-9563a0613e56

(2) De: Promulgação da Teosofia. Este trecho é de um endereço dado por William Judge em Londres, no final do European T.S. convenção, 15 de julho de 1892.

Foi publicado anteriormente no Theosophy Forward com um artigo intitulado " É um núcleo elitista?"

 

Link: http://www.theosophyforward.com/articles/the-society/1947-editorial-is-a-nucleus-elitist

William Q. Judge referindo-se a uma conversa que teve com HPB:

 

Certa vez, em Londres, perguntei-lhe qual era a chance de atrair pessoas para a Sociedade em vista da enorme desproporção entre o número de membros e os milhões de pessoas da Europa e da América que nem a conheciam ou nem se importavam com ela. Recostada em sua cadeira, na qual ela estava sentada, diante da escrivaninha, disse:


“Quando você considerar e se lembrar daqueles dias em 1875 e posteriormente, quando você não podia sequer encontrar qualquer pessoa interessada em seus pensamentos, e agora olhar para a ampla influência de ideias teosóficas por mais que rotulados – não é tão ruim. Não estamos trabalhando apenas para que as pessoas se denominem teósofos, mas para que as doutrinas que prezamos possam afetar e impregnar todas as mentes deste século. Isto só pode ser conseguido por um pequeno e fervoroso grupo de trabalhadores, que trabalha sem recompensa humana, nenhum reconhecimento mundano, mas que, apoiados e sustentado pela convicção naquela Fraternidade Universal da qual os nossos Mestres fazem parte, trabalham com firmeza, fielmente, na compreensão, e divulgando para reflexão as doutrinas da vida e deveres que nos chegam desde tempos imemoriais. Não faltará um período longo em que alguns dedicados trabalharão para manter o núcleo existente. Você não foi instruído a fundar e realizar uma Fraternidade Universal, mas a formar o núcleo de uma; pois é somente quando o núcleo é formado que as aglomerações iniciarão, para terminar em anos futuros, por mais distante que seja, na formação desse corpo que temos em vista.

(Itálico, sublinhado e negritado pelo editor)

Link to English version:

https://www.theosophyforward.com/articles/the-society/2429-editorial-greed-is-a-disease

 

 

Text Size

Paypal Donate Button Image

Subscribe to our newsletter

Email address
Confirm your email address

Who's Online

We have 163 guests and no members online

TS-Adyar website banner 150

Facebook

itc-tf-default

LOGO ITC

TS Point Loma/Blavatsky House

Vidya Magazine

TheosophyWikiLogoRightPixels