Língua Portuguesa

Inabilidade, Carma e Significado

Jim Colbert – EUA

Theosophy DISABILITY 2 a Jim Colbert
O autor Jim Colbert de Julian, na Califórnia, é um estudante de teosofia de longa data, renomado orador, autor de muitos artigos e o “nestor”(1) das Conferências Internacionais de Teosofia.(International Theosophy Conferences)

[A revista Vidya, [ http://www.theosophysb.org/site/publications.html ] , editada por associados da United Lodge of Theosophists em Santa Barbara, EUA, publicou o seguinte artigo em sua edição de primavera de 2017; aqui se encontra uma versão levemente revisada.]

 "A alma trabalha em um ciclo constante de renovação e progresso em direção a algo, então o truque é descobrir o que é este algo em sua vida atual. Qual é o objetivo que sua alma escolheu nesta vida? O que planejou? Por quê? Ele escolheu essa vida específica e essas circunstâncias? O que sua alma quer aprender? Qual é a contribuição?”

De: The Secret Within: No-Nonsense Spirituality for the Curious Soul pelo escritora holandês Annemarie Postma.

Theosophy DISABILITY 2 b

A questão de - porque eu sou incapacitado e outros não - atormenta muitas pessoas que são afligidas por deficiência. Por que eu? Existe um significado especial que eu preciso entender? Se assim for, o que é? Claro, essas questões vão além da deficiência. O sentimento de "eu sinto que eu deveria fazer algo com essa vida", mas "não tenho certeza do que é" - é um lamento de muitos.

A deficiência envolve um grau de sofrimento. Certamente, os 80% dos mais de seis milhões de pessoas com deficiência que vivem em países do terceiro mundo podem servir como evidências. Aqueles que vivem sem dinheiro ou sem um sistema de apoio muitas vezes estão com fome e vivem em um ciclo infinito de privação. A situação da deficiência carrega com ela uma carga pesada. A sociedade como um todo considera a deficiência com olhos tristes. Apesar da importante legislação federal nos Estados Unidos, a taxa de emprego para deficientes é de 41%. A maioria é apoiada através de fundos do governo. Recebendo dinheiro suficiente e sendo apoiado pela família, muitas pessoas com deficiência podem prosperar, ajustando-se à deficiência e sendo independentes.

Mas a maioria dos deficientes na maior parte do mundo vive sem fundos ou suporte. Para aqueles que têm apoio, geralmente são os amigos ou familiares, a quem é cobrado um alto preço para providenciar os cuidados. A incapacidade, portanto, não envolve apenas milhões de sofredores, mas milhões de pessoas que são seus cuidadores.

De acordo com James Carlton, em seu livro, Nothing About Us Without Us: Disability, Oppression and Empowermen:

"Pessoas portadoras de deficiência continuam sendo marginalizadas em todo o mundo, vivendo com vergonha e miséria entre as populações que não possuem recursos para ajudá-los e nem mesmo compreendê-los. E com seus números crescendo rapidamente, essa situação está piorando ... A percepção comum é que nada pode ser feito para crianças com deficiência. Isso tem a ver com o preconceito e a velha mentalidade de que esse castigo vem de Deus, de espíritos malignos ou mágicos ... Nós temos uma situação catastrófica de direitos humanos ... Elas [pessoas com deficiência] são um grupo sem poder ".

 

Theosophy DISABILITY 3

 

Carlton escreve ainda:

"Milhões de pessoas com deficiência estão famintas, e muitos mais não possuem alimentos suficiente. O subdesenvolvimento produziu miséria para centenas de milhões de pessoas com deficiência. As pessoas com deficiência são o grupo mais pobre e mais isolado nos lugares mais pobres e mais isolados”.

A pergunta "Por que sou como sou sem dinheiro ou apoio", é como "como aconteceu de eu ter de carregar esta carga pesada de carma?" Perguntar sobre o significado pode parecer um luxo dada a escassez de recursos necessários para a sobrevivência. No entanto, citando Nietzsche: "Aquele que tem um motivo para viver pode suportar quase todo COMO". Um dos motivos popularmente citados relacionados ao "porquê" da deficiência é que é “resultado do acaso”. Aconteceu. A ideia de acaso ou coincidência é algo considerado por muitos. Apenas aconteceu estar no lugar errado na hora errada. Em outras palavras, não há significado para a deficiência. Em certo sentido, esta é a atitude tomada por muitas pessoas com deficiência. Às vezes, uma pessoa com deficiência escuta as palavras: "Você é tão corajoso. Você é notável por fazer o que faz, mesmo que seja incapacitado. Nunca poderia fazer o que faz com sua desvantagem". Isso não encontra reação em muitos que estão incapacitados. Para eles, estão simplesmente fazendo o melhor que podem, dado que eles estão incapacitados. Eles não percebem que há algo especial sobre isso. Apenas tentando ajustar-se ao que lhes foi dado.

Theosophy DISABILITY 4 -the-meaning-of-human-existence-by-edward-o-wilson

A teoria do “acaso" é generalizada na ciência moderna. Tomemos, por exemplo, a declaração de Edward O. Wilson, cientista premiado com o Prêmio Nobel, que, em seu livro, The Meaning of Human Existence, escreveu: "A humanidade surgiu como um acidente de evolução, um produto de mutação aleatória e seleção natural. Nossas espécies eram apenas um ponto final de muitas reviravoltas em uma única linhagem de primatas do Velho Mundo (prosimians (2), macacos, chimpanzés, humanos) dos quais existem hoje várias centenas de outras espécies nativas. Em outras palavras, não há "significado" para toda a existência, e muito menos para a deficiência. Tudo apenas aconteceu”.

Outra teoria sobre o "porquê" da deficiência é que há algo intrinsecamente errado com uma pessoa com deficiência. Eles podem ter pecado ou pior, ter demônios. Deus lhes deu um teste especial. Eles devem passar pelo que lhes foi dado para provar a Deus que eles são dignos. De Levítico 21: 17-23, há esta passagem:

"O Senhor, falando com Arão, ‘Ninguém de sua prole ao longo de as suas gerações, que tem defeito, pode se aproximar para oferecer a comida de seu Deus’. Porque ninguém que tenha defeito deve se aproximar, alguém cego ou coxo, ou aquele que tem um rosto mutilado ou um membro muito longo, ou aquele que tem um pé quebrado ou uma mão quebrada ou um corcunda ou um anão, ou um homem com defeito nos olhos ou uma doença de coceira ou crostas ou testículos esmagados.’"

No Novo Testamento, Jesus cura os deficientes, mas faz isso perseguindo os demônios e / ou perdoando-os pelos seus pecados. Isso é assumir que os deficientes têm pecados ou demônios acima ou além daqueles que não os tem.

Theosophy DISABILITY 5

Kim E. Nielson, em seu trabalho, A Disability History of the United States, encontra-se uma poderosa declaração:

"... a história da deficiência frequentemente tem sido uma história de estigma e de orgulho negado, particularmente quando o capacitismo (3) define a deficiência e as pessoas com deficiência como defeituosas e inadequadas, e quando ela é usada para criar e justificar hierarquias. As ideologias ableistas tornam o orgulho difícil para as pessoas com deficiência. E como Clare escreveu: “O amor-próprio não é uma coisa desnecessária. Sem dignidade, as pessoas com deficiência são muito mais propensas a aceitar sem questionamentos a condição material imposta pelo capacitismo: desemprego, pobreza, educação segregada e de qualidade inferior, anos ​​trancados em lares de idosos, violência perpetrada pelos cuidadores, falta de acesso. Sem amor-próprio, a resistência individual e coletiva à opressão torna-se quase impossível.” Mas o amor-próprio para os incapacitados não é uma coisa fácil de se obter. A deficiência foi encharcada de vergonha, vestida de silêncio, enraizada no isolamento ".

Esterilização forçada (mais de 65 mil americanos na década de 1960 (Kim E. Nielson)) "e as mais restritivas leis de imigração da história dos EUA (restringindo as pessoas deficientes) fazem parte da história da deficiência".

Theosophy DISABILITY 6

Calvin Coolidge, o 30º Presidente dos EUA de 1923 a 1929

 Em seu discurso de 1923 do Estado da União, o presidente Calvin Coolidge proclamou: "A América deve ser mantida americana. Para isso, é necessário continuar com uma política de imigração restrita." De forma mais direta, isto significa dizer que há algo defeituoso sobre pessoas com deficiência e que precisam ser esterilizadas para que não existam mais na sociedade.

Existe uma tentativa de considerar a teoria da reencarnação, mas é, entretanto, difícil de julgamento no que diz respeito ao motivo pelo qual algumas pessoas são fisicamente incapacitadas, considera-se, neste caso, de que há algo que fizeram em uma vida anterior. No entanto, no sentido de que isso é culpa da vítima, o quanto é diferente a afirmação de que uma pessoa com deficiência está sendo punida pelos pecados de uma vida anterior, de acordo a explicação bíblica de que eles carregam consigo o mal de um pecado original?

Ao invés de a deficiência ser vista como uma punição para um pecado original ou os feitos de uma vida passada, uma perspectiva mais esclarecida - que leva em consideração a teoria da reencarnação - seria essa deficiência uma oportunidade para equilibrar o carma? Na revista Sunrise (fevereiro / março de 1982), Grace F. Knoche, escritora teosófica, escreveu um artigo intitulado "É a vida justa?". Ela inclui uma passagem de uma carta que recebeu de um dos leitores que escreveu:

"Em algum lugar em uma das questões, peguei uma ideia que eu não gosto particularmente. Posso estar interpretando erroneamente, mas acho que a noção era a de que é possível ver alguma aflição congênita como punição devido a alguma transgressão em uma reencarnação anterior. Essa proposta me parece tão injusta. O ser humano não pode saber nada sobre sua vida anterior, e por que seria bom o castigo se o punido nem sabe que ele / ela teria, de certa forma, cometido um crime?"

Aqui está a resposta perspicaz e compassiva da Sra. Knoche para o questionamento:

"... antes de tudo, eu não acho que alguém possa dizer categoricamente que uma criança nascida com uma aflição congênita seja para pagar por alguns erros em uma vida ou vidas anteriores. Pode ser o caso; mas pode igualmente não ser. Não é possível, por exemplo, que uma entidade que retorna - pois somos principalmente almas espirituais - poderia ser suficientemente avançada interiormente para escolher o carma de grave malformação, a fim de obter uma profunda simpatia por meio do sofrimento humano?

Theosophy DISABILITY 7 Grace Knoche

Grace Knoche, líder da The Theosophical Society - Pasadena de 1971 a 2006

Talvez a resposta da Sra. Knoche seja uma visão mais filosófica de por que há aqueles que são incapazes: o Ego Superior da pessoa em algum nível escolhe ser incapacitado em sua vida. O desafio de viver uma vida com deficiência pode ser visto como uma maneira de equilibrar alguma tendência em sua vida ou vidas anteriores. A literatura teosófica é sugestiva no que se refere à Visão do Nascimento, um exame do que estará a vida prestes a dar origem. H. P. Blavatsky, em seu livro A Chave para a Teosofia (Editora Teosófica), escreve:

"Como o homem no momento da morte tem uma visão retrospectiva da vida que ele conduziu, então, no momento em que ele renasce na Terra, o Ego, acordado do estado de Devachan, tem uma visão prospectiva da vida que o aguarda, e percebe todas as causas que o conduziram a isto. Ele os percebe e vê o futuro, porque é entre Devachan e o estado de recém-nascido que o Ego recupera sua consciência manasica completa, e se torna, por pouco tempo, o deus que ele era, antes, de acordo com a lei kármica, ele primeiro desceu sobre a matéria e encarnou no primeiro homem de carne".

De acordo com o livro A Disability History of the United States de Nielsen, anteriormente citado, a maioria das tribos nativas americanas ensina:

"... o espírito escolhe o corpo que vai ocupar. Assim, cada pessoa é responsável por quem e o que ele é; não pode culpar os outros pelos defeitos de seu corpo. Os espíritos escolhem seus corpos físicos para cumprir sua finalidade. Se um indivíduo não cumprir seu propósito, não é culpa do corpo - independentemente do que esse corpo pode ou não fazer. Quando um espírito equilibrado é o que importa, os corpos diferentes importam menos".

Annemarie Postma, em seu livro The Secret Within: No Nonsense Spirituality for the Curious Soul, postula que nossa alma faz a escolha da deficiência:

"... isso ficou claro para mim que uma forma externa "danificada" não é castigo, mas sim um privilégio que permite que você viva em um nível muito consciente e, de forma inquestionável, faça sua contribuição para a vida dos outros. É como usar um terno personalizado, feito para caber perfeitamente para que você possa realizar a tarefa que sua alma escolheu".

C. Jinarajadasa, em um artigo sobre cegueira (Revista The Theosophist, 1941) escreveu:

"Quando... a consciência é limitada pelos Senhores do Karma, podemos ter certeza de que isso nunca significa como um castigo, mas sempre como uma experiência da qual a alma deve obter o que precisa para o seu desenvolvimento".

Theosophy DISABILITY 8 CJ

C. Jinarajadasa, Presidente Internacional da Sociedade Teosófica - Adyar de 1945 - 1953

Além disso, ele escreve:

"O motivo pelo qual é o processo de expansão de nossa consciência, eu não entendo, por que alguns devem ser ensinados através da cegueira e não outros. Até este momento, sabemos através dos princípios fundamentais que não há apenas um significado nisto, porém há um significado inspirador. Algum dia entenderemos cada detalhe desses processos kármicos. Até esse dia, acrescentemos à nossa atitude de simpatia para aqueles que sofrem de cegueira uma atitude de reverência quanto àqueles que estão aprendendo uma grande lição espiritual, que não é ser conhecido por nós".

A declaração do Sr. Jinarajadasa sobre "reverência" para deficientes merece nossa profunda consideração. Note-se que ele não identifica todo o carma como retribuição e / ou punição.

Há um artigo na revista Vidya, de 2016, o qual nos fornece uma explicação sobre o sofrimento, que para este escritor, é muito profundo. Faz referência a uma conversa entre o Dalai Lama e Huston Smith (um estudioso recente das religiões) sobre uma passagem bíblica de Isaías a qual mostra como o povo judeu é escolhido como a tribo nômade para assumir o sofrimento da humanidade. Existe, também, a sugestão de que o povo tibetano está atualmente cumprindo um destino semelhante, já que perderam sua pátria. Será que as pessoas com deficiência adotaram algo do mesmo caminho? Talvez, tenha sido uma escolha feita antes do nascimento, aceitar alguns desses sofrimentos.

Talvez, todos os que sofrem - sofrem por todos. Será que, quando experimentamos sofrimento, tenhamos uma oportunidade para uma visão maior? Talvez seja por isso que, na Voz do Silêncio, há a afirmação: "Ai daqueles que não sofrem". Por que o sofrimento é integrante ao crescimento espiritual? É o dharma da personalidade promover o contentamento, o gozo, a certeza e a segurança. É o dharma da Alma promover a mudança, o crescimento e o tornar-se - daí o sofrimento. Cada estágio de crescimento para níveis mais elevados de consciência significa a dor de deixar o estágio anterior. O significado da deficiência poderia ser, pelo menos para muitos, oportunidade de crescimento.

Não sugerimos o sofrimento descrito por Victor Frankl em seu livro Man’s Search for Meaning (campos de concentração, tortura e fome) é o mesmo que os deficientes sofrem, mas em alguns casos é próximo. Ele escreve sobre o peso aceito por aqueles que sofrem: "Essas tarefas e, portanto, o significado da vida difere de homem para homem e de momento a momento. Assim, é impossível definir o significado da vida de uma maneira geral". Frankl continua:

"Há muito tempo superamos a fase de perguntar qual era o significado da vida, uma questão ingênua que entende a vida como a conquista de algum objetivo através da criação ativa de algo de valor. Para nós, o significado da vida abraçou os ciclos mais amplos da vida e da morte, do sofrimento e da morte”.

Theosophy DISABILITY 9

Frankl explica ainda mais:

"Uma vez que o significado do sofrimento nos foi revelado, recusamos minimizar ou aliviar as torturas dos acampamentos, ignorando-as ou abrigando falsas ilusões e amando um otimismo artificial. O sofrimento tornou-se uma tarefa na qual não queríamos virar as costas. Havíamos percebido suas oportunidades ocultas para a realização, as oportunidades que levaram o poeta Rilke a escrever "Wie viel ist aufzuleiden!" (Quanto sofrimento há para superar!). Rilke falou de "superar o sofrimento, enquanto outros falam sobre superar o esforço".

A citação de Victor Frankl de Dostoiévski: "Há apenas uma coisa que eu temo: não ser digno de meus sofrimentos" - determina o essencial da busca pelo significado do que está enterrado dentro de todos nós. Persistindo na questão de por que estamos envolvidos com as pessoas que somos: nossa família, nossos amigos, carreira, negócios, etc. Chega-se à questão da “consciência” e por que estamos aqui e como aconteceu. Por que escolhemos o caminho que escolhemos? As provações e os sofrimentos de nosso curso de vida estão relacionados ao nosso destino cósmico?

Isso é particularmente importante para os deficientes porque em algum lugar juntamente com esta questão toca nossos corações.

Fim

Theosophy DISABILITY 10 o-old-man-wheelchair-facebook
---------

Reflexão posterior do editor:

 

É preciso muita confiança, amor-próprio e autoestima para perceber que você é capaz. E que você tem todo o direito de deixar sua pista, e fazer as coisas da mesma forma que outras pessoas o fazem...

Citação de Allan Hennessy

Click: http://www.bbc.com/news/av/education-40710025/the-disabled-refugee-with-a-first-class-cambridge-law-degree

1. Nota da Tradutora : Nestor significa o que volta e indica uma pessoa que conquista as outras com uma conversa agradável, enriquecida por sua memória prodigiosa. É muito admirado por sua criatividade e inteligência, o que lhe abre as portas do sucesso. Nestor é um nome grego.

2. Nota da Tradutora: Prosimian é um primata primitivo de um grupo que inclui os lêmures, lóris, bebês arbusto, e tarsiers.

3. Nota da tradutora: O termo é tradução da forma nascida em países de língua inglesa , ableism. Usa-se para descrever a discriminação , preconceitos e opressão contra pessoas com deficiência física ou mental, advindos da noção de que pessoas com deficiência são inferiores às pessoas sem deficiência. Inclui, desta forma, tanto a opressão ativa e deliberada (insultos, considerações negativas, arquitetura inacessível ) quanto a opressão passiva (como reservar às pessoas com deficiência tratamento de pena, de inferioridade/subalternidade). https://pt.wikipedia.org/wiki/Capacitismo

 

Link to English version:

 http://www.theosophyforward.com/articles/theosophy/2131-disability-karma-and-meaning

 

Text Size

Paypal Donate Button Image

Subscribe to our newsletter

Email address
Confirm your email address

Who's Online

We have 367 guests and no members online

TS-Adyar website banner 150

Facebook

itc-tf-default

International Theosophy Conferences Inc.

TS Point Loma/Blavatsky House

Vidya Magazine

TheosophyWikiLogoRightPixels